17 de dezembro de 2013

FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE ESPACIAL PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE PROPRIEDADE RURAL NO PARÁ, AMAZÔNIA.




               

O planejamento estratégico de propriedade rural é um processo contínuo que envolve a coleta, organização e análise sistematizada das informações através de procedimentos e métodos para se chegar a decisões ou escolhas acerca das melhores alternativas para o aproveitamento da propriedade rural e dos recursos disponíveis em função de suas potencialidades dentro do caráter de sustentabilidade. Uma solução prática para este tipo de planejamento é a utilização de ferramenta de integração e análise espacial, onde se pode contar com recursos para a manipulação de dados espaciais da propriedade rural. Com o avanço do conhecimento das técnicas de coleta e organização de dados e a existência de softwares de Sistema de Informação Geográfica (SIG) é possível aplicação técnicas para o planejamento de propriedade rural através da distribuição espacial de dados de: vegetação, relevo, hidrografia, entre outras. O presente trabalho propõe apresentar uma aplicação prática do planejamento estratégico de propriedade rural por meio de sistema de informação geográfica, assim como aprimorar a representação espacial e descritiva do uso do solo, das benfeitorias e dos equipamentos presentes em uma propriedade rural para auxiliar no planejamento estratégico.
Para construção, integração e análise dos dados espaciais utilizou-se o diagrama metodológico abaixo, Figura 1.

Figura 1 – Diagrama metodológico para elaboração dos planos de informações em SIG para Planejamento da Fazenda Paraíso - Tailândia-PA.
 

Limites e Áreas: Através do conjunto de informações do Memorial Descritivo da Fazendo Paraíso foi possível realizar a geocodificação das coordenadas limites da área de estudo.


 
Sistema viário: O mapeamento do sistema viário permitiu a localização e identificação dos diversos tipos de elementos planimétricos presentes na Fazenda Paraíso. Com a espacialização do sistema viário pode-se avaliar e analisar a viabilidade de planejamento de novas estradas de circulação e de acesso na propriedade rural, bem como, o planejamento destas vias de acordo com a declividade do terreno e sistema de drenagem.

 

Figura 2 – Mapeamento de padrões de ocupações ao longo do sistema viários da Fazenda Paraíso, Tailândia-PA.
 
 
Hidrografia
O levantamento da rede hidrográfica foi realizado com o objetivo identifica o principal curso hidrológico da propriedade rural. O mapa hidrológico mostra a posição dos corpos d’água, sejam correntes ou paradas, no interior da propriedade rural. Identificou-se o rio Acará como principal hidrografia da área de estudo.
Realizou-se um trabalho de caracterização dos impactos ambientais existentes nos dados de hidrografias. Neste contexto, o Código Florestal estabelece a existência de área de preservação ao longo dos corpos d’água em quantidade e qualidade adequada. Assim, para um adequado planejamento estratégico de uma propriedade rural é importante observar os problemas mais relevantes em relação às ocupações próximos aos cursos d’água como: devastação de matas ciliares e assoreamento dos leitos dos rios e córregos localizados no perímetro da área de estudo.
 
 
Topografia
O mapeamento da topografia da Fazenda Paraíso foi realizado a partir dos dados do Modelo Digital Elevação (MDE) do SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) disponibilizado pela EMBRAPA monitoramento por Satélite (CNPM), dividido segundo a articulação do mapeamento sistemática do IBGE na escala 1/250.000.
 
Como resultado da integração dos dados espaciais acima descritos com a imagem se sensoriamento remoto, Figura 8, observa-se os padrões de distribuição dos rios e córregos (Figura 8a) e malha viária (Figura 8b).
 
Figura 3 – Representação tridimensional da topografia da Fazenda Paraíso, hidrografia e vias - Tailândia-PA.
 
 
Solos
Com a metodologia empregada identificou-se que o padrão do solo da propriedade rural é de Barras arenosas com tipo de solo Arenito conglomerático, Argilito e arenoso.
Zoneamento ambiental
O zoneamento ambiental é uma peça significativa para planejamento estratégico de propriedades rurais, pois, pode-se analisar e avaliar as condições ambientais de sustentabilidade da propriedade rural.
 
Assim, através do zoneamento ambiental é possível analisar e identificar as ações e medidas para soluções de problema que conduzem à degradação dos recursos naturais como: desmatamento e movimentos de terras, recuperação de áreas degradadas, restauração de ambientes naturais, entre outros.
A Figura 4 apresenta a visibilidade dos recursos que podem ser levantados para auxiliar no planejamento estratégico de imóveis rurais com uma forte preocupação com a degradação, impactos ambientais e uso sustentável.
 

CONCLUSÃO
Esse trabalho apresentou a aplicação prática da ferramenta de integração e análise de dados espaciais para o planejamento estratégico de propriedade rural. O uso do sistema de informação geográfica proporciona ao usuário, proprietário e/ou profissional responsável pelo planejamento estratégico uma visão diferenciada da propriedade rural com objetivo de definir a potencialidade da terra e escolhas das melhores alternativas para o aproveitamento dos recursos disponíveis dentro do caráter de sustentabilidade.

 
Com a utilização de um mapeamento informatizado, ligado a um de dados especializados da propriedade rural pode-se gerar produtos cartográficos de qualidade, com precisão desejável e sem custos de aquisição e de licenciamento, fato importante, quando se trabalha com propriedades rurais na Amazônia, tendo em vista a falta e/ou reduzido capital próprio e de financiamento.
 
 
REFERENCIAS
 
AMARAL. L. História de Tailândia, 2009. Disponível em:< http://livaldoamaral.no.comunidades.net/index.php?pagina=1606997104>. Acesso em: 21 set.  2013.
 
 
CAVALCANTI, Agostinho Paula Brito. Implantação de programas de manejo e plano de gestão ambiental em pequenas comunidades. Soc. nat. (Online) [online]. 2010, vol.22, n.3, pp. 539-550. ISSN 1982-4513. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sn/v22n3/10.pdf. Acesso em: 08 Out. 2013.
 
 
BARBISAN, Ailson Oldair et al.Técnica de valoração econômica de ações de requalificação do meio ambiente: aplicação em área degradada. Eng. Sanit. Ambient. [online]. 2009, vol.14, n.1, pp. 119-128. ISSN 1413-4152. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/esa/v14n1/v14n1a13.pdf. Acesso em: 08 Jun. 2013. CDSR - Centro de Dados de Sensoriamento Remoto. INPE. Disponível em: http://www.dgi.inpe.br/CDSR/. Acesso em 14 de out 2013.
 
 
GEOBANK. Banco de Dados de Informação Geocientífica  -  Serviço. Geológico do Brasil (CPRM). Disponível em: . Acesso: 10 ago. 2013.
 
 
 LANI, J. L. Planejamento Estratégico de Propriedades Rurais. Viçosa-MG – CPT – 2004. 166p.
 
 
MOREIRA. L. H. Uso e Cobertura do Solo no Município de Tailândia-PA Utilizando o TM/Landsat e Técnica de Classificação não supervisionada. ENGEVISTA, v. 10, n. 2, p. 126-132 dez
. 2008.
 
MIRANDA, E. E. de; (Coord.).   Brasil em Relevo.   Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005.  Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br>.  Acesso em: 12 ago. 2013.
 
 
 Rosa, L.S. 2002. Limites e possibilidades do uso sustentável dos produtos madeireiros e não madeireiros na Amazônia brasileira: o caso dos pequenos agricultores da Vila Boa Esperança, em Moju, no Estado do Pará.Tese de Doutorado. Universidade Federal do Pará/Núcleo de Altos Estudos da Amazônia, Belém, PA. 304pp.
 
 
VIEIRA, Thiago Almeida et al. Sistemas agroflorestais em áreas de agricultores familiares em Igarapé-Açu, Pará: caracterização florística, implantação e manejo. Acta Amaz. [online]. 2007, vol.37, n.4, pp. 549-557. ISSN 0044-5967. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aa/v37n4/v37n4a10.pdf. Acesso em: 08 out. 2013.
 
 





Representações Cartográficas

Globo - representação esférica, em escala pequena, dos apectos naturais e artificiais de uma figura planetária, com finalidade ilustrativa.

Mapa - representação plana, em escala pequena, delimitada por acidentes naturais ou políticos-administrativos, destinada a fins temáticos e culturais.

Cartas - representação plana, em escala média ou grande, com desdobramento em folhas articuladas sistematicamente, com limites de folhas constituídos por linhas convencionais, destinada a avaliação de distância e posições detalahadas.

Planta - tipo particular de carta, com área muito limitada e escala grande, com número de detalhes consequentemente maior.

Mosaiso - conjunto de fotos de determinada área, montadas técnica e artisticamente, como se o todo formasse uma só fotografia. Classifica-se como controlado, obtido apartir de fotografia aéreas submetidas a processos em que a imagem resultante corresponde à imagem tonada na foto, não controlado, preparado com o ajuste de detalhes de fotografia adjacentes, sem controle de termo ou correção de fotografia, sem preocupação com a precisão, ou ainda semicontrolado, montado combinando-se as duas características descritas.

Fotocarta - Mosaico controlado, com tratamento cartográfico.

Ortofotocarta - fotografia resultante da transformação de uma foto original, que é um perspectiva central do terreno, em uma projeção ortogonal sobre um plano.

Ortofotomapa - conjunto de várias ortofotocartas adjacentes de uma determinada região.

Fotoíndice - montagem por superposição das fotografias, geralmente em escala reduzida. É a primeira imagem cartográfica da região. É o insumo necessário para controle de qualidade de aerolevantamentos utilizados na produção de cartas de métedo fotogramétrico.

Carta Imagem - imagem referênciada a apartir de pontos identificáveis com coordenadas conhecidas, superposta por reticulado da projeção

Revista Geografia, Conhecimento Prático, n 23, p 54. ed. Escala